Capas sem nada_edited_edited.jpg
2.jpg
Capas sem nada_edited_edited.jpg

Apresentação

Erico Verissimo dizia que “a vida começa todos os dias”. É com este tom de RETOMADA que elaboramos o Planejamento Estratégico 2022. Este período de pandemia de covid-19 tem sido desafiador, mas, ao mesmo tempo, tem possibilitado crescimento e aprendizados.

Para 2022, as perspectivas são otimistas. Com o avanço da vacinação, a aderência da população aos protocolos de saúde e a vontade de retomar as atividades, vemos as ações presenciais serem retomadas. Mas tudo o que foi aprendido neste período não será em vão, afinal, descobrimos novas formas de nos relacionarmos e novos jeitos de seguirmos em movimento, ainda que isolados. Por isso, continuaremos com ações virtuais e aulas híbridas junto à programação presencial.

 

Tivemos excelentes resultados, ainda que em um período adverso. Com a retomada, podemos fazer ainda mais e melhor pela sociedade gaúcha

GESTÃO SUSTENTÁVEL

Nos últimos meses, o termo ESG tem sido comentado no mundo empresarial. ESG (sigla em inglês para Ambiental, Social e Governança). Mas o que há de novo? ESG nada mais é do que a visão do mercado de capitais sobre a sustentabilidade. É o mesmo objeto, visto e trabalhado por diferentes atores.

Em parte, por conta da pandemia da Covid-19, estamos vivenciando a ascensão do conceito, com uma intensa mobilização do mercado e uma corrida das empresas por maior compreensão. Uma das consequências “positivas” (se é que podemos usar esta palavra no atual contexto) da crise causada pelo novo coronavírus foi despertar a consciência de parcelas maiores da sociedade para questões ligadas à sustentabilidade.

 

As empresas brasileiras aceleraram suas práticas sustentáveis em um movimento sem volta. Segundo estudo feito pela Morningstar a pedido da Capital Reset, no Brasil, fundos ESG captaram R$ 2,5 bilhões em 2020, sendo que mais da metade da captação veio de fundos criados nos últimos 12 meses. Sabemos que investidores, cada vez mais, preocupam-se em direcionar seus investimentos a companhias com práticas ESG, mas não só. Consumidores, e não só mais jovens, também revelam uma forte tendência em investir, consumir ou até mesmo trabalhar em empresas sustentáveis. É a busca pelo propósito, um olhar mais humano e consciente. Todas as partes interessadas estão mais atentas e exigentes em relação a uma maior performance socioambiental e de governança e, ainda, atrelada a melhores resultados financeiros, ou seja, a autos sustentação.

As menções a ESG na internet cresceram exponencialmente nos últimos meses. O tema vem sendo debatido por toda a sociedade e há grande espaço para empresas que queiram assumir protagonismo. E o Sistema Fecomércio-RS/Sesc/Senac ciente de seu papel na sociedade gaúcha, entende a importância de conectar sua Gestão Sustentável com ESG. Queremos incentivar o debate as partes interessadas e engajar mais empresas para que aperfeiçoem as suas práticas sustentáveis, a se comprometer com os Dez Princípios e com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. E assim, alcançar a Agenda 2030, gerando impactos positivos na sociedade.

ESG1_edited.png
 

CADEIA DE VALOR

Vamos entender oque é?

Com o compartilhamento da gestão entre Sesc e Senac em 2020 e cenário pandemia causada pelo novo coronavírus (COVID-19), surge a necessidade de adaptação das entidades, visando otimizar recursos, criar/alinhar processos e serviços.

A CV é a representação gráfica, lógica e sistemática de como as entidades organizam seus processos para criar valor as partes interessadas (vide Mapa das Partes Interessadas).

E assim, e com tantas oportunidades e superações, ouvidas as partes interessadas e validado com a alta gestão #TriJuntos, eis a Cadeia de Valor Revisão 2021.

Na revisão 2021, se destaca:

Na revisão de 2021 destacamos:

  • Três processos principais de cada entidade;

  • Subprocessos (chave) para facilitar a compreensão, em especial Inteligência de mercado e ambiente (físico e virtual) para Sesc e;

  • Compartilhamento dos Processos de Apoio, em especial Serviços Jurídicos para Senac;

  • Inclusão do propósito;

  • Foco para a entrega dos serviços de Bem-estar social e Educação Profissional;

  • Compliance e Aprendizado e Inovação permeiam os demais processos;

A ideia do mapa é que o layout passe a impressão de movimento, atuação em rede, interação e compartilhamento.

Conquista: O sucesso de sua representação, inclusive, foi utilizada como referencial comparativo na construção da cadeia de valor da Rede Nacional EAD do Senac em 2021.

Onde encontro a Cadeia de Valor?

Plano Estratégico

Manual da Qualidade
& Sistema de Gestão

Intranet

 

Modelo de Gestão da Inovação
MoGI

Vamos entender oque é?

1º Dimensão Visão de Futuro: Adequação de Nome para “Estratégia”, afim de adequar a linguagem ao utilizado na organização. Enxugamento dos elementos de 4 para 3:  

  • 1.1 Compromisso da Gestão 

  • 1.2 Indicadores 

  • 1.3 Comunicação Interna 

 

2º Dimensão Clientes e Mercado: Adequação de Nome para “Usuários”, afim de reforçar a linguagem utilizada nas abordagens de experiência do Usuário e ampliar o olhar para demais partes interessadas. Enxugamento dos Elementos de 4 para 3: 

              2.1 Requisitos dos Usuários 

              2.2 Geração de Valor 

              2.3 Comunicação com a Sociedade 

 

3º Dimensões Cultura, Pessoas e Gestão do Conhecimento: compreendemos que estas 3 dimensões estão diretamente atreladas e sua abertura gerava alguma redundância. Assim, compilamos as 3 dimensões na Dimensão Cultura, ficando com os seguintes 3 elementos: 

              3.1 Capacitação 

              3.2 Indivíduos-chave 

              3.3 Confiança Criativa 

 

4º Inclusão da Dimensão Recursos: Entendemos que um elemento chave para profissionalizarmos a inovação nas casas é a definição mais clara dos recursos. Quanto a recursos entendemos pessoas, estruturas de suporte, tempo e capital, entre outros. Assim, os elementos da dimensão são: 

4.1 Estruturas de Suporte: como a organização define e disponibiliza estruturas de suporte administrativos, de tecnologia, pessoas e processos adequadas para atender as demandas de equipes que estão inovando. 

4.2 Modelo de Fomento: relativo a como a organização destina e disponibiliza recursos financeiros para subsidiar iniciativas de inovação. 

4.3 Núcleo de Crescimento: Eric Ries e outros autores trazem a importância dos indicadores de resultados da inovação serem intensivamente divulgados na organização. Identificam que muitas organizações possuem boas e pulverizadas iniciativas de inovação que não se tornam conhecidas da organização e levam a inovação ao descrédito. Assim, sugerem, com base num trabalho na GE e governo dos Estados Unidos, o estabelecimento do que chamam de Núcleo de Crescimento. 

É uma estrutura responsável por buscar as iniciativas de inovação que estão ocorrendo na organização, mensurar os resultados e dar ciência de forma contínua às equipes e principalmente ao corpo diretivo.